Tiradentes

No dia 21 de abril de 1792 morria, no Rio de Janeiro, Joaquim José da Silva Xavier ou, simplesmente, Tiradentes.  Joaquim foi uma personalidade de extrema importância para a história do Brasil, sendo um dos líderes do movimento conhecido como Inconfidência Mineira.

A Inconfidência Mineira tinha como seu principal objetivo a separação e independência do Brasil com relação ao governo português e seu lema: “Liberdade, ainda que tardia” (hoje representado na bandeira de Minas Gerais). O movimento foi motivado pela exploração política e econômica exercida por Portugal e teve os ideais Iluministas como principal influência ideológica. Os Inconfidentes, como eram chamados, eram compostos por aristocratas mineiros, dentre eles, poetas, oradores e advogados, mas também por alferes (militares), como era o caso de Tiradentes quando se juntou ao grupo. Após o fracasso do movimento e prisão dos Inconfidentes, apenas Tiradentes foi condenado à morte por ter assumido toda a responsabilidade do movimento revolucionário e, talvez, em uma tentativa de proteger seus companheiros, assim como outra personalidade que conhecemos...

Somente após a Proclamação da República é que a figura de Tiradentes passou a ser transformada em herói nacional. Em 1965, pela Lei Nº 4.897, Joaquim José foi declarado patrono cívico da Nação Brasileira e o dia 21 de abril passou a ser considerado dia festivo da nação. Tiradentes é um símbolo da luta pela liberdade brasileira e de fidelidade para com seus ideais e companheiros.

“Pois seja feita a vontade de Deus. Mil vidas eu tivesse, mil vidas eu daria pela libertação da minha pátria!” – Joaquim José da Silva Xavier (Tiradentes)